Senden hat offenbar funktioniert, aber es wird noch ein Bestätigungsmail verschickt, sobald die Änderungen angekommen sind.
Es hat etwas nicht funktioniert. Bitte den Inhalt in Word (o.Ä.) kopieren und per Mail schicken.

None (01-02221)

Exmo Senr.

Cidade do Mindello da ilha de São Vicente, 12 de fevereiro de 1883.

 

Tive o gosto de receber o favor de V.Ex.a de 26 de novembro peterito, ao qual peço desculpa de até agora não ter respondido. Egualmente recebi os interessantes estudos àcerca do creoulo de S. Thomé, com que V.Ex.a se dignou honrar-me e que muito agradeço; sentindo, porem, não poder devidamente aprecial-os por não saber allemão.

De accordo com o meu illustrado amigo D.r Custodio Duarte, a quem V.Ex.a se dirigiu ha tempos, pedindo esclarecimentos relativos ao creoulo d’estas ilhas, estamos tratando de fazer a tal respeito um pequeno trabalho, para satisfazer-mos como podermos ao que V.Ex.a de nós espera.

Em relação ao creoulo d’esta ilha, repetirei aqui o que já disse, na publicação a que V.Ex.a se refere na sua citada carta; isto é não haver em S. Vicente creoulo privativo, fallando-se aqui o de todas as outras ilhas.

Pouco profundo em estudos d’esta ordem, mas dezejando responder desde já ás preguntas de V.Ex.a àcerca da raiz das palavras lambú e bambúra, sem que possa afirmar serem ou não dirivadas de algum dialecto africano, como progunta [sic], e nada mais, apresentarei a V.Ex.a a minha openião a esse respeito.

Lambú - Poderá derivar-se da palavra |2| palavra portugueza lombo, que se pronuncia lombu, d’onde faziam o verbo lombúr e, supprimindo o r final lombú terminação creoula, - pôr ás costass ou sobre o lombo; por corrupção lambú como acontece com a palavra lombúdo - carcunda [sic], que em dialecto creoulo dizem lambúdo?

De lambú, panno de lambú, panno lambùdo, lambú panno chaile etc - panno de traçar sobre as costas - panno traçado - pôr ou traçar panno, chaile etc.

Bambú, bambùra - Poderá dirivar-se do verbo bambalear ou bambolear, que tambem se diz bamboar - agitar-se remexendo o corpo, ou antes do reflexo bambolear-se ou bamboar-se, remexer os quadris; pois assim fazem as mulheres creoulas quando querem adormecer ou fazer calar as creanças, que, como uzam, trazem ás cavalleiras sobre os rins, seguras por um panno?

D’aqui, bambúr ou bambú, supprimindo as finaes de bamboar, que se pronuncia bambuar, e dando-lhe a terminação em ù accentuado - carregar as creanças sobre os quadris embalando-as; e panno de bambú ou de bambúra, como dizem na ilha de S. Vicente, o panno que serve para as sujeitar n’aquella posição.

Pelo que respeita a sâ tâ bai, cujo uso V.Ex.a diz achar bastante escuro, e que na verdade o é não pouco; direi o seguinte:

Sâ tâ bai, que tambem se diz ‘stâ tâ bai, sâ tâ bâ, ou ‘stâ tâ bâ conforme as ilhas, que todos, mais ou menos tem dialecto differente.

- contracção, por aphrese e syncopa da vôz está ou ‘stá do verbo estar para todas as |3| pessoas do indicativo, sendo mesmo ás vezes estensiva a todas as letras da referida palavra menos o s.

Tâ - particula afirmativa, para todos os tempos e pessoas, da realisação ou não realisação d’uma acção qualquer intraduzivel em portuguez por falta d’equivalente, e tendo analogia com o monosyllabo inglez To que indica o infinitivo dos verbos, e tem por vezes significação adverbial.

Exemplos

In tâ bai, ou - Eu vou, ou irei

In sâ tâ bai

In ‘stâ tâ bâ

In ‘s tâ bâ

} Eu estou indo

In tâ bâba - Eu ia, ou iria

In câ tâ bâ - Eu não vou, ou não irei

In tâ ‘stâ - Eu estou

Es’ cùsa tâ flâdo? Tâ - Isso diz-se? Sim.

Tâ! - Interjeição = ah! oh!

Tâ, tâ, tâ - chitou.

E será aqui logar de dizer a V.Ex que nos faltam em portuguez letras para exprimir algumas entoações creoulas, como por exemplos in eu, entoação, entre o faucial e o nazal onde o i tem um som mixto, que partecipa do que lhe é proprio do do u francez, na palavra un.

Ficam, me parece, respondidas as proguntas, que V.Ex.a se dignou fazer-me.

Relativamente aos uzos e costumes d’esta ilha, poderá V.Ex.a consultar o que escrevi e foi publicado nos boletins da Sociedade de Geographia de Lisbôa, n.os 2 e 3 de 1882, e a |4| mesma Sociedade vou remetter outro trabalho àcerca da ilha do Sal, que provavelmente encontrará logar no referido boletim, d’onde V.Ex.a poderá colher diversos esclarecimentos linguisticos e etnographicos.

Sem enfadar mais a V.Ex.a, declaro-me n’esta cidade prompto para quanto julgar posso servir-lhe, como

De V.Ex.a

Att.o Ven.or Obrg.o

Joaq[uim] Vieira Botelho da Costa

Socio corr. da Sociedade de Geographia de Lisa